Arcolizar

Sonhar ar húmido
Arqueado ao ente
Margem que seduz
Onde outrora outras deslizavam
Deixando os pés cálidos

Sonhas o rio fumegante
Odores ascensos às narinas
De uma coloração absoluta
Encobre esses leito do mistério
Onde o banho te é familiar

Tens a terra nas unhas
Crivas os poros de vivência
Deslizas ao querer sorrir
Esse vulto gutural que preenche
Dias de areia onde não nos vislumbram

Tens ardência latente a palpitar
Um riso que rasga grãos de areia
Não se conta a interjeição esgotada
Nem os vidros fraturados de outrora

Os fumos dilatam o disco colorido
Desenha nos astros a infância
Nas margens ocultas vociferamos o nome
Mudo ecoa pelo infinito da cor destemida

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s